Podcast The Witch Trials of JK Rowling alcançou mais de 5 milhões de ouvintes


A empresa de mídia de Bari Weiss, The Free Press, criou um novo podcast de sucesso sobre o "cancelamento" de JK Rowling. 

The Witch Trials of JK Rowling encontrou uma audiência massiva em apenas dois meses
durante um período em que a indústria de podcast está recuando em séries limitadas, encerrando produções e reunindo vários programas em feeds únicos em um esforço para encontrar um público, no entanto um novo programa atingiu uma fonte muito grande de ouvintes, estamos falando do Podcast de JK Rowling. 

O podcast prometeu clareza da autora de Harry Potter sobre como ela se sente sobre questões trans. 

The Witch Trials of JK Rowling estreou em fevereiro com a missão declarada de examinar alguns dos “conflitos mais contenciosos de nosso tempo através da vida e carreira da atriz de maior sucesso do mundo”. Mais especificamente, o programa explora a controvérsia em torno da autora de Harry Potter depois que vários tweets e comentários que ela fez sobre a comunicação trans resultaram em uma reação de pessoas que a criticaram como transfóbica. 

O podcast é uma criação da Free Press, empresa de mídia com sede em Los Angeles iniciada no ano passado por Bari Weiss e Nellie Bowles. 

Os dois primeiros episódios traçam a história de JK Rowling tanto como sobrevivente de abuso doméstico quanto como escritora desprezada por algumas comunidades ultraconservadoras por seus livros sobre feitiçaria e magia. Tudo isso explora como tais experiências acabaram por informar suas opiniões controversas sobre questões trans. 

Os episódios posteriores incluem entrevistas com fãs trans e segmentos nos quais os produtores e o apresentador apresentam críticas mais amplas diretamente a JK Rowling. 

O programa pode ser um dos maiores sucessos da série limitada nos últimos meses. Desde a estreia do programa, há dois meses, quase 6 milhões de ouvintes o ouviram, de acordo com o produtor Andy Mills. 

Mills, que conceituou e lançou este programa, é um ex- funcionário do New York Times que ajudou a criar o popular programa The Daily and Caliphate - uma produção de 2020 que foi desacreditada quando foi revelado que um dos principais assuntos da história havia fabricado grande parte de seu narrativa. 

Weiss, do Free Press, também é um ex-funcionário do Times que renunciou em 2020, depois de muitos rancores com colegas do jornal. Antes de The Witch Trials of JK Rowling, Mills ajudou Weiss a lançar o outro principal produto de áudio da nova organização, o próprio podcast semanal de Weiss.

The Witch Trials of JK Rowling é apresentado por Megan Phelps-Roper, uma escritora que talvez seja mais conhecida por ter se afastado pessoalmente da Igreja Batista de Westboro - um grupo notório por suas crenças anti-gays - e publicado um livro sobre a experiência. 

- JK Rowling já deixou bem claro que “conhece e ama” pessoas trans. 

- Ela disse que “as pessoas trans precisam e merecem proteção”. 

- Ela disse que apoia as pessoas trans que se chamam do que quiserem e que sente “empatia e solidariedade com as mulheres trans que foram abusadas por homens”.

Qual a sua opinião sobre J.K. Rowling? 


Fonte: Bloomberg

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem