4 casais que amamos em Harry Potter (e 4 que J. K. Rowling errou em criar)

Header Ads Widget

Agora

6/recent/ticker-posts

4 casais que amamos em Harry Potter (e 4 que J. K. Rowling errou em criar)


Ah, o amor. Nada como ir a encontros, dar o primeiro beijo, ou ainda passar a vida ao lado de alguém. Tudo mágico - e, literalmente encantado, se acontecer no mundo que J.K. Rowling criou para Harry Potter.

A autora teve a habilidade de criar uma história complexa e bem desenvolvida, com personagens ricos em personalidade e bastante amáveis. Mas passou longe de acertar cada um dos detalhes, e acabou com algumas situações bem chatas. Principalmente de relacionamentos. 

Quer sejam pessoas chatas, ou falta de compatibilidade, ou falta de contexto, alguns casais de Harry Potter não fizeram sentido - outros, por sua vez, não poderiam ser melhores. Separamos, então, quatro casais que amamos na saga - e quatro que odiamos: 

Chatos: Rony Weasley e Lilá Brown

Rony e Hermione sempre tiveram um leve romance às escondidas. Mas isso não impediu o garoto de ceder aos encantos de Lilá, colega de classe, no sexto ano. Os dois namoraram durante vários meses e não se desgrudavam… Até ser demais para o menino. E para todos que leram, também.

Amamos: Gui Weasley e Fleur Delacour

O irmão mais velho de Rony e Fleur parecem fazer um casal meloso demais no começo. E a garota parece ser bem chata. Mas isso muda completamente quando ele é atacado por Fenrir Greyback, o lobisomem, e Fleur nem se importa com os perigos e rosto desfigurado: afinal, ama o namorado. E a vida juntos no Chalé das Conchas, onde Dobby foi enterrado, parece encantadora. 

Chatos: Harry Potter e Cho Chang

Cho, a menina linda da Corvinal, foi a primeira paixão de Harry. Quando a via, seu estômago revirava e ele perdia as palavras. Quem diria que, quando saíssem, também não falaria nada: mas por não ter assunto algum. Assombrada pela morte de Cedrico, esse relacionamento não tinha chances de ir em frente. 

Amamos: Remo Lupin e Ninfadora Tonks

Esse casal demorou para engatar, principalmente porque Lupin, alguns anos mais velhos, não via a paixão de Tonks. Mas ambos os personagens sempre foram pessoas “estranhas” e deslocadas. Mas, um no outro, encontraram conforto. Entre negações, medo e tristeza, tiveram um tempo realmente felizes quando aceitaram um ao outro. 

Chatos: Draco Malfoy e Pansy Parkinson

Os dois adolescentes faziam parte da “panelinha do bullying” na Sonserina. Malfoy era o manda-chuva, e Pansy a única garota. Acabaram por ficar juntos - e usavam o tempo juntos para falar mal dos outros (e talvez praticar magia das trevas). Pior para a menina, que gostava mesmo do namorado - mas ele não dava a mínima atenção para ela. 

Amamos: Hermione Granger e Viktor Krum

Hermione termina seus dias com Rony Weasley. Mas o amor mais fofo dela foi no quarto ano, com o campeão do Torneio Tribruxo (e quase campeão da Copa Mundial de Quadribol) Viktor Krum. Os dois se aproximam enquanto estudam na biblioteca, e o jogador era extremamente carinhoso e respeitoso com ela. O que, convenhamos, Rony não fazia.  

Chatos: Tio Valter e Tia Petúnia

O Sr. e a Sra. Dursley viviam muito bem na Rua dos Alfeneiros, número 4. O motivo da harmonia, claro, era a chatice em comum, como vimos durante os longos anos em que Harry Potter precisou morar com eles.

Ambos os Dursley são ambiciosos, odeiam quem é diferente, se importam demais com a aparência - e mimam ao extremo Duda, filho deles. Chato demais!

Amamos: Molly e Arthur Weasley

Ao contrário dos Dursley, os Weasley não poderiam ser mais autênticos e “imperfeitos” aos moldes sociais. A casa deles é uma zona - e, por isso, acolhedora. Eles são bastante rígidos com os filhos - de modo que nenhum deles se pareça com Duda. Apesar dos desentendimentos, esse seria facilmente o melhor casal da saga Harry Potter.  

Postar um comentário

0 Comentários