Tudo sobre Harry Potter e a Câmara secreta

Header Ads Widget

Agora

6/recent/ticker-posts

Tudo sobre Harry Potter e a Câmara secreta


Harry Potter and the Chamber of Secrets (Brasil: Harry Potter e a Câmara Secreta /Portugal: Harry Potter e a Câmara dos Segredos) é um romance de fantasia escrito pela britânica J. K. Rowling. É o segundo livro da série Harry Potter. O livro se envolve em torno da lenda de uma câmara secreta localizada na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, na qual abriga um monstro que matará a todos os bruxos que não provém de famílias mágicas. Diversos alunos aparecem petrificados e Harry Potter, além de ser apontado como o maior suspeito, tenta desvendar e resolver o mistério junto de seus melhores amigos, Rony Weasley e Hermione Granger.

Após o grande sucesso do primeiro livro da série, a escritora aponta que apresentou grandes dificuldades em desenvolver Câmara Secreta por medo de desapontar o público, entretanto, também o considera como um de seus preferidos. Metade do livro já havia sido escrita quando o livro antecessor fora publicado. Rowling afirma que a trama da obra é mais direta em comparação à Harry Potter e a Pedra Filosofal. O livro passou por diversas mudanças e revisões até chegar no resultado final.

Assim como seu predecessor, Harry Potter e a Câmara Secreta foi aclamado por críticos literários e escritores, com elogios direcionados a trama, personagens e clímax da história, embora alguns comentários digam que o livro conta com uma trama igual a de Pedra Filosofal e que a escritora utilizou deus ex machina. O romance desencadeou alguns debates religiosos: autoridades condenaram o uso de temas mágicos, enquanto outros elogiaram sua ênfase em auto sacrifício e na maneira que o caráter de uma pessoa resulta em suas escolhas. Rowling foi comparada ao autor Stephen King. Vários comentaristas notaram que a identidade pessoal é um tema forte no livro, e que este aborda questões de racismo através do tratamento com trouxas (não-bruxos). A obra foi incluída em algumas listas reunindo os melhores de 1998, como a lista de melhores livros infantis e melhores pra jovens adultos da American Library Association.

A adaptação cinematográfica do livro foi lançada em 2002 e dirigida por Chris Columbus. O longa arrecadou pouco mais de 879 milhões de dólares, assegurando sua entrada na lista de filmes de maior bilheteria, embora seja um dos que menos arrecadou de toda a saga. Jogos eletrônicos baseados em Harry Potter e a Câmara Secreta também foram lançados para diversas plataformas, os quais obtiveram avaliações relativamente altas. Stephen Fry e Jim Dale narraram as versões de audiolivro britânica e americana, respectivamente.

Trama


Após o primeiro ano de Harry em Hogwarts, ele retorna para casa de seus tios para passar o verão. Um dia, um elfo doméstico chamado Dobby aparece em seu quarto. Ele avisa que se Harry voltar para Hogwarts, coisas terríveis irão acontecer, no entanto, Harry o ignora. Depois disso, Rony Weasley e seus irmãos gêmeos Fred e George resgatam o garoto da casa dos Dursley com um carro voador.

Pouco depois de chegar em Hogwarts, mensagens começam aparecer nas paredes dos corredores revelando que a Câmara Secreta foi aberta novamente e que o herdeiro da Sonserina matará todos os alunos que não provém de uma família bruxa. Depois disso, os habitantes da escola começam a aparecer petrificados. Enquanto isso, Harry, Rony e Hermione descobrem a Murta Que Geme, o fantasma de uma menina que foi assassinada quando a Câmara foi aberta pela última vez no banheiro em que morreu. Murta mostra a Harry um diário que pertence a Tom Marvolo Riddle. Apesar de todas as páginas estarem em branco, Harry recebe uma resposta quando escreve. Finalmente, o livro o mostra Hogwarts cinquenta anos antes. Lá, ele vê Tom Riddle, um aluno na época, acusando Rúbeo Hagrid de ter aberto a Câmara. 

Passados quatro meses, o diário é misteriosamente roubado e, pouco depois, Hermione é petrificada. No entanto, continha em mão uma anotação explicando que o culpado pela petrificação dos seres do Castelo era um basilisco, uma cobra gigante que mata a todos que olham diretamente em seus olhos e petrifica aqueles que os olham por um reflexo qualquer. Enquanto os ataques continuam, Cornélio Fudge, Ministro da Magia, envia Hagrid para Azkaban (a prisão dos bruxos) por precaução e Lúcio Malfoy, um antigo partidário de Voldemort, suspende Dumbledore de seu cargo como diretor.

Depois que a irmã caçula de Rony, Gina, é levada para dentro da Câmara, o corpo docente da escola insiste que o professor de Defesa Contra as Artes das Trevas, Gilderoy Lockhart, controle a situação. No entanto, quando Harry e Rony entram em sua sala com o objetivo de contarem o que descobriram sobre o basilisco, o professor revela que é uma fraude e que toma crédito dos triunfos de outros e ameaça apagar a memória dos dois garotos. Eles desarmam Lockhart e o levam para o banheiro da Murta Que Geme, onde Harry descobre uma entrada para a Câmara Secreta. Nos esgotos da escola, Lockhart pega a varinha de Rony e tenta apagar a memória deles novamente, porém, por conta do acidente com a varinha do garoto no começo do ano, o feitiço sai pela culatra do objeto. Como resultado, Lockhart sofre uma amnésia total e uma parte do túnel é destruída, separando Harry de Rony e Lockhart.

Enquanto Rony tentava refazer o túnel, Harry entra na Câmara Secreta, onde Gina encontrava-se desmaiada ao lado do diário. Enquanto Harry a examina, Tom Riddle aparece, com o mesmo rosto e corpo que Harry havia visto nas memórias do diário. Ele conta que Gina escrevia todos os seus segredos no diário, os confiando em "um estranho invisível", fato que ele se aproveita e a força abrir a Câmara Secreta. Ele revela que seu nome produz o anagrama I am Lord Voldemort (na tradução, Eis Lord Voldemort) e que Gina tentou se livrar do diário no banheiro quando descobriu que era responsável pelos ataques. Quando Riddle acaba de contar a história, libera o basilisco para matar Harry. O fênix de Dumbledore, Fawkes, entra na Câmara e entrega ao personagem principal a espada de Godric Grifinória envolvida pelo Chapéu Seletor. Harry usa a espada para matar o monstro e é perfurado por uma das presas venenosas da criatura, porém cura seu braço com suas lágrimas. Ele apunhala o diário com a presa do basilisco e Riddle desaparece. Depois que Gina acorda, Fawkes leva os quatro para fora do túnel.

Após de saírem da câmara, Harry conta a história completa a Dumbledore, que voltou ao cargo de diretor da escola. Quando Harry menciona que é muito parecido com Tom Riddle e que deveria ter ido para a Sonserina, Dumbledore reponde que Harry escolheu a Grifinória e que só um verdadeiro membro de tal casa conseguiria ter tirado a espada de Godric Grifinória do Chapéu Seletor. Harry acusa Lúcio Malfoy de ter colocado o diário entre os livros de Gina enquanto estavam comprando os materiais escolares no Caldeirão Furado, antes do ano letivo ter começado, e ele responde "Prove". Mais tarde, Harry liberta Dobby da família Malfoy, o entregando uma meia. Finalmente, todas as vitimas que foram petrificadas pelo basilisco voltam ao normal por uma poção que levou meses para ser preparada.

Desenvolvimento


Rowling já havia escrito metade do livro quando Harry Potter e a Pedra Filosofal foi lançado. Ela achou difícil finalizar Harry Potter e a Câmara Secreta, pois temia que o livro não alcançasse as expectativas despertadas pelo primeiro romance. Depois de ter entregue o manuscrito a Bloomsbury na data prevista, ela o pegou de volta para revisá-lo um pouco mais, o que demorou mais seis semanas.

Nos primeiros rascunhos do livro, o fantasma Nick quase sem Cabeça cantava uma canção que ele mesmo havia escrito explicando a condição em que se encontrava e as circunstâncias de sua morte. Esta parte foi retirada do livro, já que a autora não julgou o poema importante para a trama. Posteriormente, a canção foi publicada no site oficial de Rowling. A parte em que escreveu sobre a família de Dino Thomas também foi retirada do livro porque ela e os editores consideraram como um "desenvolvimento desnecessário", e considerou que a viagem de descobrimento de Neville Longbottom era "mais importante para a trama central".

Publicação


Harry Potter e a Câmara Secreta foi publicado no Reino Unido em 2 de julho de 1998 e nos Estados Unidos em 2 de junho de 1999. Logo depois de sua publicação, ocupou o primeiro lugar na lista de best-sellers do Reino Unido, ultrapassando obras de outros autores populares, tais como John Grisham, Tom Clancy e Terry Pratchett, e fazendo de Rowling a primeira escritora a ganhar o British Book Awards por dois anos consecutivos. Em junho de 1999, o romance entrou em três listas de best-sellers nos Estados Unidos no momento em que foi publicado, incluindo a publicada pelo jornal The New York Times.

As primeiras impressões do livro tiveram vários erros, mas foram corrigidos em edições posteriores. Inicialmente, Dumbledore disse que Voldemort era o último ancestral restante de Salazar Sonserina ao contrário de herdeiro. O livro de Gilderoy Lockhart sobre lobisomens é primeiramente intitulado como Weekends with Werewolves (Finais de Semana com Lobisomens), mas, já em outras edições, é chamado de Wanderings with Werewolves (Passeando com Lobisomens).

O romance é dedicado à Séan P.F. Harris, o melhor amigo de Rowling. Eles se conheceram quando tinham apenas onze anos de idade, e foi a primeira pessoa a saber que sua ambição era ser escritora. Segundo ela, ele sempre disse que ela estava fadada ao sucesso.

Para Séan P.F. Harris,
motorista do carro de fuga
e amigo dos dias tempestuosos

Crítica


Resposta da crítica Editar
No jornal The Times, Deborah Loudon descreveu Harry Potter e a Câmara Secreta como um livro infantil que poderia ser "relido na idade adulta" e destacou sua "forte trama, personagens atraentes, excelentes piadas e sua mensagem moral que flui naturalmente da história". O escritor Charles de Lint concordou e disse que o segundo livro foi tão bom quanto Harry Potter e a Pedra Filosofal, um feito raro em série de livros. Thomas Wagner considerou a trama muito similar a do primeiro livro: os protagonistas focados em procurar um segredo escondido embaixo da escola. Entretanto, desfrutou da paródia das celebridades e fãs que rodeavam Gilderoy Lockhart e aprovou o manuseio do tema de racismo no livro. Tammy Nezol achou o livro mais inquietante do que seu antecessor, particularmente por causa da reação de Harry e seus amigos depois que recebem informações de Dumbledore e no comportamento humano de usar mandrágoras para fazer uma poção que cura a petrificação. Mesmo assim, ela considerou a segunda história tão agradável quanto a primeira.

Mary Stuart opinou que o conflito final com Tom Riddle na Câmara foi quase tão assustador quanto alguns trabalhos de Stephen King e talvez muito forte para jovens ou crianças medrosas. Ela comentou que "existem surpresas e detalhes o suficiente para encher um pouco mais de cinco livros." Semelhante a outros críticos, ela disse que o livro dá prazer tanto a crianças quanto a adultos. De acordo com Philip Nel, as primeiras críticas que o livro recebeu foram só elogios, enquanto as seguintes incluíam questionamentos, embora ainda concordassem que o livro é extraordinário.

Após a publicação de todos os sete livros da série, Graeme Davis afirmou que Harry Potter e a Câmara Secreta é o mais fraco deles e concordou que a estrutura da trama é igual a de A Pedra Filosofal. Descreveu a aparição de Fawkes como um deus ex machina: disse que o livro não explica como Fawkes soube onde Harry estava e que a sua medida de tempo tinha que ser muito precisa, já que, se tivesse chegado antes, provavelmente teria impedido a luta de Harry com o basilisco, e se tivesse chegado atrasada, teria provocado a morte do garoto e de Gina

Dave Kopel disse que o clímax do romance aconteceu quando Harry lutou contra o basilisco e salvou Gina do diário de Riddle: "Harry desce para um profundo submundo, enfrenta dois asseclas demoníacos (Voldemort e uma serpente gigante), se salva da morte por sua fé em Dumbledore (o Deus com barba, o Padre/Ancião dos dias), resgata a virgem (Ginevra [sic] Weasley) e consegue o triunfo."

Prêmios e Indicações


O segundo livro de Rowling foi alvo de vários prêmios. O romance entrou na lista de Melhores Livros Infantis e Melhor Livro para Jovens Adultos do American Library Association. Em 1999, a Booklist listou Harry Potter e a Câmara Secreta como uma de suas Escolhas dos Editores, e colocou o romance em sua lista top 10 de Romances Fantásticos para Jovens.O Cooperative Children's Book Center selecionou o livro como Escolha de 2000 na categoria de "Ficções para Crianças". O romance também ganhou um Children's Book of the Year British Book Award, e foi indicado para o prêmio Guardian Children's Award e Carnegie Award, ambos em 1998.

Harry Potter e a Câmara Secreta recebeu uma medalha de ouro do prêmio Nestlé Smarties Book Prize em 1998 como Melhor Romance Infantil na faixa etária de nove a onze anos de idade. Rowling também ganhou dois outros Nestlé Smarties Book Prizes por Harry Potter e a Pedra Filosofal e Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. O Scottish Arts Council entregou seu primeiro Children’s Book Award ao romance em 1999 e um Whitaker's Platinum Book Award em 2001. Em 2003, o romance ficou em 23º lugar no The Big Read.

Filme


Em 1999, Rowling vendeu os direitos cinematográficos dos primeiros quatro livros de Harry Potter para a Warner Bros. por um milhão de libras. A versão cinematográfica de Harry Potter e a Câmara Secreta estreou no dia 15 de novembro de 2002, sob a direção de Chris Columbus. A produção foi liderada por David Heyman e o roteiro escrito pelo estadunidense Steven Kloves. A produção do filme começou em 19 de novembro de 2001, três dias depois da estreia de Harry Potter e a Pedra Filosofal, e foi lançado no final de 2002. A autora exigiu que o elenco principal fosse de nacionalidade britânica, mas foi permitida a participação de alguns atores irlandeses, como o falecido Richard Harris, que retratou Alvo Dumbledore nos dois primeiros filmes. Os atores que interpretaram os personagens principais no primeiro filme continuaram a atuar no segundo. Kenneth Branagh, Christian Coulson, Mark Williams e Toby Jones foram adicionados ao elenco, interpretando os papéis de Gilderoy Lockhart, Tom Riddle, Arthur Weasley e Dobby.

A receita total do longa foi de 878 979 634 dólares, tornando-se o terceiro filme a ultrapassar 600 milhões de dólares em bilheteria, sendo o primeiro Titanic, lançado em 1997, e o segundo, Harry Potter e a Pedra Filosofal, estreado em 2001. O filme foi indicado ao prêmio Saturno na categoria de Melhor Figurino, porém perdeu para O Senhor dos Anéis: As Duas Torres. Segundo o website estadunidense Metacritic, a versão cinematográfica recebeu "críticas favoráveis", dando uma pontuação de 63%, enquanto outro agregador, o Rotten Tomatoes, deu uma pontuação de 82%.

Compre seu Livro a partir de R$ 24,90


























Postar um comentário

0 Comentários