Header Ads Widget

Agora

6/recent/ticker-posts

Há 15 anos, SBT escalava blockbusters do cinema para desbancar o Fantástico com Harry Potter em sua programação


Há 16 anos, em dezembro de 2004, o SBT detinha, ainda, um pacote de filmes equiparado à Globo no que se refere a qualidade e quantidade. O canal de Silvio Santos mantinha parceria com a Warner, Disney, MGM e Paramount e tinha como slogan: "Cinema no SBT: Simplesmente o melhor". Com alguns grandes arrasa-quarteirões naquele ano, grande parte sequer foi ao ar, mas Silvio Santos resolveu fazer uma experiência: abrir mão de seu horário tradicional aos domingos, às 20h30, para exibir o primeiro filme da saga Harry Potter. A tentativa deu certo e o longa cravou 31 pontos de média, contra apenas 24 do Fantástico. Até o sorteio da Tele Sena, exibido antes do filme, bateu a Globo, tamanha a espera pelo bruxinho. E esse foi o começo de uma espécie de "Tela Quente do SBT" no ano seguinte.

Em 2005, o SBT decidiu apostar ainda mais forte nesse filão e anunciou um CineSpecial de fim de ano (inicialmente compreenderia apenas entre outubro e dezembro) somente com grandes filmes. Além de Harry Potter, a emissora anunciou O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel, Pearl Harbor, 11 Homens e 1 Segredo, dentre outros. A emissora até batizou um Titanic feito para a TV em 1996 com Catherine Zeta-Jones de Titanic 2, para atrair público.

A Record, que tinha filmes mais modestos, mas acabado de adquirir produções da Fox, como A Era do Gelo e o reprisado Titanic, resolveu seguir a tendência do SBT e programou a Tela Máxima para concorrer com os filmes do canal do dono do Baú aos domingos à noite.

Preocupação da Globo e divisão entre o público na TV

Com isso, os diretores do Fantástico ficaram de cabelo em pé. O show da vida já não era mais imbatível, já que tinha sido vencido por Harry Potter e a Pedra Filosofal um ano antes e ter sofrido derrotas consecutivas para a Casa dos Artistas em 2001. Diretores foram convocados às pressas para tentar incrementar a atração e protegê-lo dos blockbusters dos concorrentes. 

Para se ter uma ideia da divisão de audiência que essa mexida provocou, no dia 9 de outubro de 2005, o SBT programou Pearl Harbor enquanto a Record atacou de A Era do Gelo. O Fantástico, naquela ocasião, obteve 28 pontos contra 21 do SBT e 20 da Record. A guerra na audiência aos domingos tinha como grande atrativo os filmes. Todas essas atrações começavam religiosamente às 20h30.

Animado com os bons resultados, o SBT transformou o CineSpecial - 8 e Meia no Cinema de final de ano em sessão de filmes fixa, sendo a principal da emissora até 2009, quando foi extinta. Nessa época, ela já não fazia jus ao título e iniciava às 22h30 ou ainda mais tarde, sendo motivo de piada até do próprio Silvio Santos, que anunciava os filmes em seu dominical.

A sessão, na verdade, começou às 20h30 apenas em seu primeiro ano. Tudo isso porque os filmes escalados eram extremamente longos e preenchiam o horário até meia-noite com tranquilidade agregando intervalos comerciais. Com a transmissão de outros títulos mais curtos, o SBT foi empurrando a sessão para cada vez mais tarde. A Record, por sua vez, seguiu o exemplo.

O final da guerra

Hoje, a busca no final do ano para quem terá o melhor pacote de filmes na temporada seguinte, terminou. No entanto, se bem usado, os longa ainda têm boa vida na televisão aberta, embora, é claro, não demonstrem o mesmo poder de fogo de outrora.

A Tela Quente, por exemplo, é a maior audiência da linha de shows da Globo em muitas das vezes. Na último dia 31, por exemplo, registrou 27 pontos com Pantera Negra até depois da meia-noite, coisa que nenhum outro programa da emissora consegue. E nesta semana, A Cabana cravou 19, número respeitável.

A Record e o SBT, que em outros tempos protagonizavam uma disputa ferrenha nas noites de domingo com os filmes, hoje praticamente esconderam suas sessões depois das 23h, com títulos surrados e transmitidos à exaustão.


Postar um comentário

0 Comentários